Percurso de fim de semana pelo Gerês!

IMG_6660

Cabana do Curral do Pinho

Sem ideias para um fim de semana de sol? Nada melhor que visitar aquilo que é nosso e tão nosso, e tão bom! O Gerês é um lugar de memórias, paixões, aventuras e natureza que vale muito a pena explorar a fundo.

Tenho a sorte de já conhecer algumas das maravilhas deste cantinho de Portugal. Mais até aquelas a que se chega de pernas e mochila às costas, do que aquelas que se chegam de carro.

Os primeiros exploradores do Gerês, e aqueles que continuam a conhecer melhor a serra, são os pastores. Ao longo dos anos, eles foram construindo cabanas em pequenos recantos que consideravam ser importantes pela sua localização. Hoje, esses recantos e essas pequenas cabanas são o delírio de pessoas como eu, que adoram explorar o parque e descobrir novos lugares.

IMG_6642

Cabana do Curral do Pinho

Ainda mais incrível é o facto de maior parte dos caminhos dos pastores estarem marcados com mariolas – montes de pedras. Útil para os pastores quando está nevoeiro e não conseguem ver o caminho e útil para os caminhantes mais experientes porque conseguem guiar-se por elas, sem que se percam no meio da serra.

Este percurso que vou sugerir é menos aventureiro que andar a vaguear pelo meio da serra, a seguir pedras à procurar de cabanas, mas é igualmente espetacular!

Sexta

A minha aldeia preferida no Gerês é Fafião, por muitas razões: foi a primeira aldeia que visitei; tem uma localização central; é barato; e melhor que tudo, o pessoal é muito simpatico e acolhedor, tudo aquilo que poderíamos esperar dum lugar como este! E é aqui que vou sugerir que passem as vossas noites, a começar já na noite de sexta, para que sábado acordem cedo e cheios de forca! Conseguem arranjar um quarto para dois por 20 € por noite, ou uma casa para 6 por 60 €! Tem um barzinho impecável chamado Café Fojo do Lobo onde vão, de certeza, ser bem recebidos pelo Valter e pelo pessoal da aldeia. Com o mesmo nome do café, o restaurante serve menus a 6 euros por pessoa. Não se esqueçam de reservar primeiro 🙂

_DSC0229 (1)

Sábado

Porquê o nome “Fojo do Lobo”? Porque Fafião ainda tem o antigo fojo, para onde os pastores atraiam os lobos, que atacavam os rebanhos das aldeias. História triste mas realidade desta zona. O fojo são duas paredes em V que terminam num poço, onde os Lobos caiam e acabavam por morrer. Basta seguirem as placas (exemplo em cima) espalhadas pela aldeia, que vão lá ter 🙂

_DSC0235 (1)

A 15 minutos de carro de Fafião fica Ermida e um pouco depois fica a Cascata da Fonte do Arado. É um lugar a parar para tirar umas fotos e, talvez, dar uns mergulhos no rio. A ponte do Arado é um símbolo do Gerês, faz parte de um dos caminhos romanos que atravessavam o parque e ligavam Bracara Augusta a Asturica Augusta. Vale a pena subir pelas escadas que vemos a seguir à ponte, até ao pequeno mirador, de onde pudemos ver melhor as cascatas e ter uma vista panorâmica da zona.

_DSC0142 (1)

Cascata da Fonte do Arado
Vista panorâmica para a ponte

Se continuarem por a estrada de terra que vos levou até ao Arado, vão ter a um lugar muito especial: o Poço Azul. Para lá chegar nem todo o caminho se faz de carro, é preciso caminhar 30-45 minutos – é um caminho fácil, não se preocupem. O melhor lugar para deixar o carro é perto de um casa a que chamam Casa do Médico. Façam este trajecto com calma e apreciem o que está à vossa volta! Vão passar por fontes de água, abrigos de pastores, currais e até uma casa de Guardas Florestais abandonada.

IMG_6868

Poco Azul

Depois de estacionarem o carro, basta seguirem pelo caminho de pastores que vai dar ao rio, que divide o vale em dois. Passando uma pequena ponte, e após subir um pouco, o trilho de pastores (estejam atentos às mariolas) vira à esquerda e segue, pelo vale, até ao Poço Azul. A partir daqui vão demorar cerca de 25 minutos até à famosa piscina natural.

Caminho para o Poco Azul

Depois de uns mergulhos está na hora de seguir viagem. Façam o caminho para trás e sigam ao, também famoso, Mirador da Pedra Bela. É um dos mais bonitos view points do Gerês, com vista para o Rio Caldo bem lá em baixo!

DSC_0056

_DSC0212

Mirador da Pedra Bela

A viagem segue até à Vila do Gerês, paragem perfeita para um café e um passeio pelo centro. Mas não percam muito tempo porque há mais coisas para ver!

_DSC0271 (1)

_DSC0270 (1)

_DSC0279 (1)

Vila do Gerês

A estrada que liga a Vila do Gerês a Espanha é uma das mais bonitas de Portugal. Passa pela Mata de Albergaria, outro lugar clássico do Parque Nacional. Vale a pena ir devagar, para poderem apreciar ao máximo o percurso.

A estrada termina na Portela do Homem, fronteira com Espanha. Como não se pode parar o carro ao longo da estrada, aqui é um bom lugar para parar e para fazer uma pequena caminhada. A poucos minutos de distância,  fica a Cascata da Portela do Homem – outro lugar imperdível.

Aqui também começa uma das mais bonitas caminhadas pela Serra! A nova Ponte de São Miguel dá ligação directa à Geira Romana, caminho que ligava Bracara Augusta a Asturica Augusta. Ao longo deste caminho, tal como vimos na Cascata do Arado, ainda existem muitos vestígios da estrada romana. Mas isto são aventuras para outros dias, a nossa segue para Espanha!

A poucos quilómetros da fronteira fica um lugar especial, que acho que muitos de vocês não fazem ideia que existe tão perto. Eu também não sabia! São as Termas de Lobios, numa pequena vila chamada Os Baños. É uma fonte de água termal e é o local perfeito para passar o final do dia. Porquê? Porque a água é bem quente e bem relaxante. E melhor de tudo, grátis 🙂 Depois do por do sol, é hora de voltar para Fafião.

_DSC0218 (1)

_DSC0219

Termas de Lobios

Domingo

Depois de um dia em cheio hoje tem de ser um dia de relax. Tenho duas sugestões para uma manhã a apanhar sol:

Primeira sugestão – Poço Verde

P8018395

O rio perto de Fafião, Rio Toco, tem muito que explorar. Embora muitos não o saibam, e ainda bem, por aqui há muitos poços de água, bem mais bonitos que os turísticos, mas menos acessíveis. O que é uma boa noticia para muita gente, pois significa que podem tomar banho nus e ninguém vê :p Estou a brincar: significa uma tarde de tranquilidade!

Um dos meus preferidos é o Poço Verde, ou pelo menos é o nome que eu lhe dou. Desde a pequena vila de Fafião até aqui são cerca de 15 minutos a pé, num percurso bem fácil de fazer. Para cá chegar basta serem desenrascados, e para os menos desenrascados seguir as coordenadas que vos vou dar.

Subindo até ao topo da aldeia, começa um caminho de terra, a que chamam estradão. Vão faze-lo sempre para a esquerda, até descerem e chegarem ao rio. Antes da pequena ponte de betão que atravessa o rio, há um novo corte à esquerda. Virem aqui e estejam atentos a um pequeno trilho, menos bem marcado, à vossa direita. Esse caminho vai dar ao Poço Verde!

Segunda sugestão – Frecha das Barjas / Cascata do Tahiti

A 10 minutos de carro de Fafião, na direcção de Ermida, fica a Cascata da Frecha das Barjas, conhecida como Cascata do Tahiti. É um lugar turístico, por isso costuma ter muita gente, dependendo da altura do ano. De qualquer das formas vale a pena conhecer. Tem vários poços de água e se querem descer até ao ultimo, o mais bonito, têm de encontrar caminho pelo lado esquerdo da encosta, já que do lado direito é um terreno privado que o dono simpaticamente fechou. Se quiserem um lugar mais tranquilo já sabem, a primeira opção é a melhor!

_DSC0118 (1)

Cascatas do Tahiti

Bom fim de semana 😉

Share this:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *